Fora Enel, Deputado Jose Nelto pede cassação do direito de funcionamento da Empresa

Enel, empresa que controla a distribuição de Goiás, sobre em todos os 254 municípios varias reclamações por falta de energia e demora em atendimento. Com equipe reduzida por conta de demissões em cascata realizada no ato da compra da Celg, a empresa segue de forma prejudicada e sem pessoal podendo atender poucos municípios.

O deputado Federal Jose Nelto, pediu recentemente com o Governador Ronaldo Caiado, ao presidente Jair Bolsonaro, a cassação da concessão da empresa, por descaso completo com a população Goiana e interior.

Crise similar acontece no Chile, onde a empresa se vê na berlinda de sair correndo do país.

Dentro do interior, os fazendeiros reclamam das altas perdas, juntamente com o produtor agropecuário. O Único que defende o seu funcionamento e o prefeito da cidade de Hidrolândia, que de forma cega não vê os prejuízos de sua população

Abras reconhece trabalho de Glaustin da Fokus em defesa dos supermercados no Congresso Nacional

Deputado federal recebeu placa de homenagem nesta terça-feira (12), Dia Nacional do Supermercado, em jantar da associação em São Paulo

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) reconheceu o trabalho do deputado federal Glaustin da Fokus (PSC-GO) em defesa do setor no Congresso Nacional, com uma placa de homenagem entregue no jantar de comemoração ao Dia Nacional do Supermercado, nesta terça-feira (12), na Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

“Posso dizer que a minha relação com esse setor é visceral. Eu vivo o dia a dia da classe supermercadista há mais de 25 anos e, por isso, sei de cada luta, de cada desafio”, discursou Glaustin. “Mas sei, principalmente, do potencial inquestionável dos supermercados para a geração de empregos e para impulsionar a economia dos nossos estados e do nosso País.”

O presidente da Abras, João Sanzovo Neto, destacou a contribuição do deputado ao setor com ações e projetos na Câmara, a começar pela audiência pública da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços (Cdeics) realizada em maio para discutir a transparência e os parâmetros das multas aplicadas quando produtos são encontrados com data de validade vencida, além do Projeto de Lei 1774/19, que autoriza supermercados e outros estabelecimentos a vender remédios que não precisam de receita médica.

“Esse PL 1774 é um dos meus projetos de maior relevância social, porque vai beneficiar quem realmente importa: a população”, disse Glaustin. “Se aprovada, a nova lei vai facilitar o acesso a medicamentos em lugares onde não existe farmácia, mas há uma porta de supermercado sempre aberta, além de indiscutivelmente reduzir o preço dos remédios para os consumidores.”

Bandeira supermercadista
O deputado lembrou, ainda, que apresentou o Projeto de Lei 5814/19, com objetivo de oferecer segurança jurídica a empresas de atacado e varejo que dependam de atividades de movimentação de mercadorias. “No momento, ainda sou relator de duas propostas de interesse do setor, o PL 1118/2019, que obriga hipermercados e supermercados a oferecerem local específico para a venda de produtos da agricultura familiar, e o PL 3210/2019, que proíbe a conferência das compras após a realização do pagamento no caixa.”

Em artigo no Diário de Aparecida e carta publicada em O Popular, Glaustin ressaltou números do estudo Estrutura do Varejo, realizado pela consultoria Nielsen, para demonstrar a dimensão do setor. “Os supermercados refletem tendências de crescimento e também contribuem bastante para o Brasil caminhar bem”, afirmou. “Só no ano passado, houve faturamento de R$ 355,7 bilhões, valor equivalente a 5,2% do PIB nacional. Para se ter uma ideia, são quase 90 mil lojas e mais de 1,8 milhão de empregos diretos, fator primordial em uma nação ainda com 12,4 milhões de pessoas ainda sem trabalho.”

A Abras divulgou na última semana um aumento de 3,22% nas vendas de janeiro a setembro, em comparação a igual período de 2018. Os números superam os 3% de expectativa de crescimento até dezembro – antes mesmo de datas promissoras para o varejo, como a Black Friday, o Natal e o Réveillon. Na avaliação de Glaustin, pela grandeza e capilaridade do setor, esse índice sinaliza uma esperança de recuperação da economia brasileira como um todo.