Varjão corre risco de ser extinta e de se tornar puxadinho de Hidrolândia

O Pacto Federativo, que foi entregue nesta terça-feira, 5, pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, e pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, prevê a redução do número de municípios com a restrição para a criação de novas cidades e a incorporação pelo município vizinho de cidades com menos de 5.000 habitantes e com arrecadação própria menor que 10% de sua receita total.
O governo não informou, até o momento, quantas localidades seriam atingidas pela nova regra. Segundo o secretário de Fazenda do ministério da Economia, Waldery Rodrigues Junior, 1.254 cidades tem o potencial de serem atingidas. A extinção dos municípios que tivessem dentro desses requisitos aconteceria a partir de 2026, caso a PEC do Pacto Federativo seja aprovada.
O Brasil tem 1.253 municípios com menos de 5.000 habitantes, segundo a última estimativa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) divulgada em agosto. O número equivale a 22,5% do total de 5.570 municípios brasileiros. Desses, três deles têm menos de 1.000 habitantes, de acordo com a última estimativa, de julho de 2019: Serra da Saudade (MG), com 781 pessoas; a paulista Borá, com 837; e Araguainha (MT), com 935.

Com esta extinção algumas cidades menores, seriam transformadas em distritos e ligadas a cidades com mais de 20000 mil habitantes. No caso de Varjão a mesma ficaria ligada a Hidrolândia, e o a cidade teria seus limites estendidos para mais 57 km.

O prefeito Valdivino, de Varjão se preocupa e já começa a tricotar com o prefeito Paulo Sergio de Hidrolândia. Moradores dizem que Hidrolândia tem sido sua segunda casa, e  isso uma preocupação aos sonhos de manipulação deste prefeito a esta cidade.

Funcionarios da Enel, cobram propina para realizar ligação de energia de empresa

Importante veiculo de noticias de Aparecida de Goiânia, foi obrigado a pagar R$ 2000,00 reais de propina a funcionário da Enel, para poder realizar ligação de impressora de jornal. O pedido para ligamento, esta uma obrigação contratual da Enel, jazia no sistema já com prazo de 3 meses, conta o empresário.

A Enel, antiga Celg, e uma empresa Italiana, que tem tido os maiores índices de reclamação, de má prestação de serviço do estado de Goiás.

Recentemente a mesma foi expulsa do Chile, por má prestação de serviço ao país, além de claro dos altos prejuízos ao cidadão. De forma unânime, os deputados do legislativo de Goiás, se unem, para retirar empresa de Goiás.