Goiânia, tera, 17 de julho de 2018
10/07/18 701 visualizações

Até revista Veja exclui José Eliton de favoritos do PSDB





Até a revista Veja, simpática ao PSDB não enxerga chances do governador José Eliton (PSDB) vencer a eleição em outubro. Segundo reportagem desta segunda-feira, 09, dos partidos favoritos para eleger governadores, PSDB e MDB são o que estão mais em baixa. 

O MDB larga como favorito apenas em três estados: Alagoas (Renan Filho), Pará (Helder Barbalho) e Espírito Santo (Paulo Hartung). Os emedebistas também são competitivos em Mato Grosso do Sul (André Puccinelli), Rio Grande do Sul (José Ivo Sartori) e São Paulo (Paulo Skaf).

O PT é o favorito em quatro estados: Bahia (Rui Costa), Ceará (Camilo Santana), Piauí (Wellington Dias) e Rio Grande do Norte (Fátima Bezerra). Os petistas também têm potencial eleitoral no Acre (Marcus Alexandre), em Minas Gerais (Fernando Pimentel) e Pernambuco (Marília Arraes).

O PSDB vive uma situação similar à do MDB. Larga como favorito em três estados: Minas Gerais (Antonio Anastasia), Santa Catarina (Paulo Bauer) e São Paulo (João Doria). Também são competitivos em Mato Grosso (Pedro Taques), Mato Grosso do Sul (Reinaldo Azambuja), Rio Grande do Sul (Eduardo Leite) e Sergipe (Eduardo Amorim).

Em meio ao desgaste dos maiores partidos do país (MDB, PSDB e PT), siglas como PP, DEM, PSD, PSB e PDT podem ganhar espaço na distribuição estadual de poder. O PP é o favorito em Rondônia (Ivo Cassol) e tem possibilidade de vitória no Acre (Gladson Camelli) e em Santa Catarina (caso Esperidião Amin concorra). Há também a possibilidade de o partido surpreender no Rio Grande do Sul, com Luis Carlos Heinz.

O DEM é o favorito em dois estados: Goiás (Ronaldo Caiado) e Mato Grosso (Mauro Mendes). A legenda também é competitiva no Rio de Janeiro (Eduardo Paes). O PSD não é favorito em nenhum estado, mas possui boa competitividade em: Amazonas (Omar Aziz), Paraná (Ratinho Júnior), Santa Catarina (se Gelson Merisio concorrer) e Sergipe (Belivaldo Chagas). 

O PSB é o favorito no Espírito Santo (Renato Casagrande) e em Sergipe (Valadares Filho). Também é competitivo em: Distrito Federal (Rodrigo Rollemberg), Pernambuco (Paulo Câmara), Paraíba (João Azevedo), São Paulo (Márcio França) e Tocantins (Carlos Amastha).

O PDT é o favorito no Amazonas (Amazonino Mendes), em Mato Grosso do Sul (Odilon) e no Paraná (Osmar Dias). Os pedetistas também são competitivos no Amapá (Waldez Góes), Rio Grande do Norte (Carlos Eduardo) e Rio Grande do Sul (Jairo Jorge).

O PR é competitivo no Distrito Federal (Jofran Frejat) e pode surpreender em Mato Grosso (Wellington Fagundes) e Tocantins (se Vicentinho Alves for candidato).

Já o PTB pode vencer em Pernambuco (Armando Monteiro). O PODEMOS, caso Romário seja candidato a governador no Rio de Janeiro, o terceiro maior colégio eleitoral do país, tem possibilidade de vence.

No atual cenário, o PT poderá se manter como o partido de esquerda com o maior número de governadores. Porém, PSB e PDT podem crescer nesse campo. Ao centro, PSDB e MDB correm o risco de perder espaço e ver o crescimento das siglas do chamado Centrão (PP, DEM, PSD, PTB e PR).

OPSL, partido de Jair Bolsonaro, líder nas pesquisas sobre a sucessão presidencial, não é competitivo em nenhuma eleição para governador, assim como o REDE, de Marina Silva.

Mande pra gente, via Whatsapp, denúncias, textos, vídeos e fotos sobre a realidade do Estado de Goiás. Whatsapp do Goiás Real: (62) 8453 6115. Vamos preservar sua identidade, se for do seu interesse.

Outras notícias

+ veja mais notícias