CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
DOMINGO, 25 DE OUTUBRO DE 2020
ULTIMA NOTÍCIA:
Glaustin defende ao governo federal renovação e fortalecimento do Fundeb
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Entretenimento
  Entretenimento
 
Meryl Streep interpelta a Dama de Ferro, Margaret Thatcher
Data Publicação:17/12/2011
LONDRES - O penteado é inconfundível, o brilho dos lábios e a voz de professora também: a atriz americana Meryl Streep encarna uma Margaret Thatcher quase tão autêntica como a original em "Dama de Ferro".

O filme estreia em um momento em que a ex-premiê britânica, que aos 86 anos padece de demência senil, já não é mais que uma sombra do que foi, mas a poderosa Thatcher ressurge com toda sua força nas telas.

A obra é construída a partir de flashbacks sucessivos que esboçam o retrato do que foi a primeira mulher a ser chefe de governo de um país ocidental, e provavelmente a mais questionada de todos os premiês britânicos. A diretora, Phyllida Lloyd ("Mamma Mia!"), afirma que sua intenção não era fazer um filme político, mas algo "quase Shakespeariano", a história de uma líder formidável, mas cheia de defeitos.

Meryl Streep, 62 anos, admite que sabia muito pouco das políticas de Thatcher antes de aceitar o papel, mas explica que o filme trata mais "do custo de suas decisões políticas sobre o ser humano".

Assim, "A Dama de Ferro" - apelido dado pelos soviéticos - é uma história de ambição, poder ganho e perdido, mas também de amor, centrada na relação de Thatcher com seu marido, Denis, morto em 2003.

O filme transcorre quando Thatcher esvazia os armários com a roupa de seu marido. Ela conversa com ele, interpretado por Jim Broadbent, como se estivesse ainda vivo, enquanto tenta superar sua perda.

Enquanto fala, lembra momentos de sua vida passada: sua eleição na Câmara dos Comuns em 1959, as férias com seus filhos gêmeos, sua decisão de liderar o Partido Conservador e sua eleição como primeira-ministra em 1979.

O filme recria sua luta contra os "fracos" de seu partido, contra a oposição trabalhista e seu discurso triunfal diante do Parlamento após a rendição das tropas argentinas na Guerra das Malvinas em 1982.

Imagens de arquivo mostram as gigantescas manifestações contra suas reformas, as grandes greves de mineiros, e o atentado do Exército Repúblicano Irlandês (IRA) contra o hotel onde se alojava durante a conferência de seu partido em 1984 na localidade costeira de Brighton, que matou cinco pessoas.

Apesar de o filme anunciar-se como imparcial, a Thatcher apresentada desperta mais compaixão, apesar de também apresentar sua intransigência, que quase beira o autismo, antes de sua demissão forçada em 1990.

O filme, que estreia enquanto um novo governo conservador submete os britânicos a um plano de ajuste semelhante ao de Thatcher nos anos 1980, suscita também controvérsia.

A decisão de dar o papel a uma americana esteve rodeada por polêmicas, apesar de atuação de Meryl Streep ter sido elogiada e poderá render um terceiro Oscar à atriz.

Charles Moore, que está escrevendo a biografia autorizada de Thatcher, afirmou que a interpretação de Streep é "assombrosamente brilhante", porque captura a presença da ex-primeira-ministra, seu isolamento, sua ambição e também o preço que teve que pagar.

Ele considera que o filme é uma oportunidade de superar o argumento do pró e do contra que dominou as três últimas décadas. "Serve bem ao futuro de Margaret Thatcher - muito melhor, provavelmente, do que ela buscava", declarou ao Daily Telegraph. No entanto, Norman Tebbit, membro dos governos Thatcher entre 1979 e 1987, criticou o personagem "meio histérico" e "super sentimental" interpretado por Streep, afirmando que não reflete a mulher que ele conheceu.

E Tim Bell, assessor em suas três campanhas eleitorais vitoriosas, disse que nem se quer se dará ao trabalho de ver o filme. "Vivi a história real. Que interesse existiria em ler um livro se você estava lá?".

O filme, que estreia primeiro na Austrália e Nova Zelândia em 26 de dezembro, chegará em 5 de janerio à Espanha, em 26 de janeiro a Argentina, Chile, Paraguai e Uruguai e no dia seguinte ao Brasil, e na primeira quinzena de fevereiro ao México, segundo o calendário disponível até a presente data.


Fonte:France Presse



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Confira o lançamento de Paulinho Rahs!
- XFour apresenta Don’t Leave Me This Way, lançada em meados de dezembro
- Câmera encontra barata em receita de Ana Maria Braga no Mais Você
- Na praia ou na piscina: Carla Perez ensina poses para fotos de verão
- Após processar Eduardo Costa, Fernanda Lima diz que desculpas não reparam o mal
- Ana Hickmann diz que está sendo perseguida por uma mulher
- Desmitificando a teoria conspiratória sobre a farsa do pouso do homem na Lua
- Meghan Markle quebra protocolo ao pintar unhas
- Susana Vieira diz ter feito sexo dentro de avião com desconhecido
- Alexandra Jackson lança vídeo de canção de Milton Nascimento
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Goias Real - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2020.