CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 13 DE JULHO DE 2024
ULTIMA NOTÍCIA:
Alexandre de Moraes abussa da sorte e manda investigar Michele, esposa de Bolsonaro
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
BC acelera passo e eleva taxa básica de juros para 11,75%
Data Publicação:04/12/2014

O Banco Central intensificou a alta de juros nesta quarta-feira e elevou a Selic em 0,50 ponto percentual, a 11,75 por cento ao ano, em decisão unânime, mas deixou em aberto seus próximos passos, em meio a um cenário de inflação pressionada e mudanças na condução da política econômica.

"O Copom decidiu, por unanimidade, intensificar, neste momento, o ajuste da taxa Selic", disse o Comitê de Política Monetária em comunicado. "Considerando os efeitos cumulativos e defasados da política monetária, entre outros fatores, o Comitê avalia que o esforço adicional de política monetária tende a ser implementado com parcimônia."

Essa foi a última reunião do Copom deste ano e que acabou levando a taxa básica de juros ao maior nível em mais de três anos.

O movimento reforçou as sinalizações feitas pela nova equipe econômica da presidente Dilma Rousseff --encabeçada Joaquim Levy, na Fazenda, Nelson Barbosa, no Planejamento, e Alexandre Tombini, que se mantém no BC-- de maior ortodoxia na condução da política econômica, com maior rigor fiscal e combate à inflação.

"As expressões "neste momento" e com parcimônia" sugerem que o Copom não está se comprometendo a fazer um ajuste tão forte nas próximas reuniões. Ele deixou aberto o que vai fazer à frente e isso vai depender de uma série de variáveis, como a política fiscal, a definição sobre o programa de swaps, a reunião do BCE e outros", avaliou o economista-chefe do Banco J.Safra, Carlos Kawall.

Pesquisa Reuters realizada na semana passada mostrou que os analistas consultados estavam divididos sobre o tamanho da alta na taxa básica de juros agora, entre 0,25 e 0,50 ponto percentual, mas no mercado de juros futuros a aposta majoritária era de alta de meio ponto percentual.

O BC já vinha dando sinais de que optaria pela alta maior da Selic agora. O mais contundente veio do seu diretor de Política Econômica, Carlos Hamilton Araújo, no mês passado, ao afirmar que o BC poderia ampliar o aperto monetário caso fosse necessário para domar a inflação.

No fim de outubro, o Copom deu início ao atual ciclo de aperto monetário ao elevar a taxa básica de juros em 0,25 ponto percentual, em uma decisão surpreendente e que não contou com o apoio de todos os membros do comitê.

 




Fonte:Reuteres



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Novo governo Onyx diz que Bolsonaro se equivocou e que não haverá aumento de imposto
- Governadora anuncia decreto de calamidade financeira no RN
- Banqueiro vê rali no mercado mesmo se Haddad ganhar eleições
- Jack Ma reconsidera promessa de criar 1 milhão de postos de trabalho nos EUA
- Dólar deve voltar a oscilar na próxima semana, afirmam analistas
- Economia brasileira cresce 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro
- Dólar sobe 1,5%, encosta em R$4,15 com cena eleitoral e tem segunda maior cotação da história
- Prepare o coração: dólar já está mais volátil do que nas últimas três eleições
- Cobalto é o novo ouro e escassez já preocupa mineradores; entenda
- Saiba qual será o salário mínimo para 2019, de acordo com o governo
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Goias Real - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2020.