CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
SÁBADO, 13 DE JULHO DE 2024
ULTIMA NOTÍCIA:
Alexandre de Moraes abussa da sorte e manda investigar Michele, esposa de Bolsonaro
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Economia
  Economia
 
Bancos veem risco de Petrobras enfrentar problemas de caixa em 2015
Data Publicação:17/12/2014

Analistas de grandes instituições financeiras internacionais veem risco de a Petrobras, cuja credibilidade já está seriamente abalada diante dos investidores, enfrentar problemas de caixa em 2015. No fim da semana passada, a estatal anunciou que pretende manter fluxo financeiro positivo no próximo ano, sem recorrer à captação de recursos no mercado. A promessa, contudo, foi recebida com enorme desconfiança. Sem crédito nos bancos, a situação da companhia, que atravessa a pior crise de sua história, com graves denúncias de corrupção e perda de valor dos ativos, pode ficar ainda pior se parte de sua dívida for cobrada antecipadamente, como previsto em contrato, por conta dos atrasos na divulgação dos balanços.

Na última sexta-feira, quando adiou pela segunda vez a publicação das demonstrações financeiras e contábeis do terceiro trimestre deste ano, a estatal informou ter aprovado recentemente a implementação de uma série de ações voltadas para a preservação do caixa e da liquidez, como antecipação de recebíveis, redução do ritmo dos investimentos, revisão de estratégias de preços de produtos e diminuição de custos operacionais. “O mercado vai, provavelmente, continuar cético até que mais detalhes sejam divulgados”, reagiu o UBS em relatório datado de 14 de dezembro.

O Bank of America Merrill Lynch observou que, em outras circunstâncias, a decisão de não lançar títulos nem tomar empréstimos seria recebida como uma medida bastante positiva, que teria repercussão favorável sobre o valor das ações da companhia. “Neste momento, porém, é uma necessidade virtual, considerando o longo período em que, provavelmente, a companhia poderá ter limitado (se tiver algum) o acesso a mercados financeiros”, afirmou relatório da instituição.




Fonte:correio braziliense



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Novo governo Onyx diz que Bolsonaro se equivocou e que não haverá aumento de imposto
- Governadora anuncia decreto de calamidade financeira no RN
- Banqueiro vê rali no mercado mesmo se Haddad ganhar eleições
- Jack Ma reconsidera promessa de criar 1 milhão de postos de trabalho nos EUA
- Dólar deve voltar a oscilar na próxima semana, afirmam analistas
- Economia brasileira cresce 0,2% no segundo trimestre em relação ao primeiro
- Dólar sobe 1,5%, encosta em R$4,15 com cena eleitoral e tem segunda maior cotação da história
- Prepare o coração: dólar já está mais volátil do que nas últimas três eleições
- Cobalto é o novo ouro e escassez já preocupa mineradores; entenda
- Saiba qual será o salário mínimo para 2019, de acordo com o governo
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Goias Real - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2020.