CINEMA MUNDO ECONOMIA CULTURA ESPORTES EDUCAÇÃO CONCURSOS CIÊNCIAS & SAÚDE
QUINTA-FEIRA, 17 DE JUNHO DE 2021
ULTIMA NOTÍCIA:
Um Brasil forte:Pazuello é nomeado para secretaria ligada ao gabinete presidencial
BUSCAR
   
  Notícias
Acontecendo
Africa
América do Sul
Automóveis & Motocicletas
Beleza
Brasil
Brasilia
Ciência & Saúde
Cinema & Teatro
Concursos & Emprego
Conteúdo
Cultura
Diversidade
Ecologia
Economia
Editorial
Educação
Entretenimento
Esportes
Gastronomia
Gente
Goiânia e Centro-Oeste
Goiás
Impecheament
Jurídico
Meio Ambiente
Moda
Mulher
Mundo
Música e Ritmos
Noite Rio
Planeta Criança
Policia
Politica
Poluição
Porto Alegre
Religião
Rio de Janeiro
RioPress
São Paulo
Saúde
Tecnologia
Tocantins
Turismo
União
Página Inicial / Notícias / Brasil
  Brasil
 
A Volta da Degola Eleitoral no Golpe da Inelegibilidade de Lula
Data Publicação:27/07/2018
Desde o triunfo do golpe do impeachment, em 2016, as forças que tomaram o poder, com o propósito de fazer as reformas ultraliberais que vem promovendo o desmonte do Estado Social no Brasil enxergam a possibilidade de eleição do ex-presidente Lula como o fim da sua cruzada liberalizante. É que hoje, a eleição de Lula representa não só uma resposta condenatória ao golpe, mas a chance de reversão de todo o esforço para a aprovação de tais reformas. E assim como os derrotados de 2014 dedicaram os seus melhores esforços para o golpe de 2016, os vitoriosos deste querem a todo custo evitar que Lula seja candidato em 2018. E para isso vale tudo: difamar, prender, tornar inelegível. Todo esse esforço nos remete à degola eleitoral usada na República Velha para impedir mudanças contrárias aos interesses das oligarquias rurais no exercício do poder político em razão das eleições.

A partir do Governo Campos Salles (1898-1902), a República Velha encontra uma maior estabilidade política por meio da consolidação da Política dos Governadores, pacto entre o Governo Central e as oligarquias rurais estaduais em que o primeiro se comprometia a não restringir a larga autonomia local conferida pela Constituição de 1891, prestigiando o poder regional, em troca do apoio irrestrito no Congresso Nacional das bancadas controladas pelos Governadores. Com isso, todas as aspirações das camadas médias da sociedade, decorrentes de uma urbanização crescente da população brasileira, quedaram sufocadas até a eclosão do movimento tenentista e da Revolução de 1930.

Para garantir o controle dos Governadores, e, portanto, das oligarquias rurais, sobre os parlamentares eleitos, eram utilizados dois mecanismos. Um anterior ao pleito e outro posterior. O primeiro era a eleição a bico de pena, em que os coronéis entregavam as cédulas eleitorais com o nome dos seus candidatos para os eleitores sob sua influência, e as mesas apuradoras elaboraram atas mais atentas ao desejo do líder político da região do que ao número de votos contidos nas urnas.


Fonte:Yahoo.com



Nome:
E-Mail:
+ Notícia(s)
- Cpi do Covid pode pegar prefeitos e Governadores por má aplicação de recurso federal
- Ford sai do Brasil, Rodrigo Maia e o verdadeiro culpado !
- Glaustin reafirma apoio do PSC ao presidente Jair Bolsonaro
- Semana da Constelação Familiar: de 11 a 19/03
- STJ concede habeas corpus a deputado federal João Rodrigues por prescrição de prazo
- Equipe econômica de Guedes terá nove nomes do governo Temer
- FHC revela voto nulo em segundo turno das eleições presidenciais
- Aposentadoria integral ficará mais difícil a partir da semana que vem
- McDonalds demite funcionário que emprestou batata para o Burger King
- Homem coloca fogo em um morador de rua em Santos (SP)
Paginação:
     
MAIS PROCURADOS
Empresa
Reclamações
Regras de publicação


 
PRODUTOS
Publicidade
Artigos Acadêmicos
 
INTERAÇÃO
Contato / Reclamações / Sugestões
 
 
Goias Real - Todos os Direitos Reservados de 2004 a 2020.